Bulling na infância

A correlação entre tentativas de homicídio seguidas de suicídio tem sido pesquisada nas últimas décadas e está relacionada ao Bullying – fenômeno que exibe atitudes covardes, intencionais e repetidas, manifestadas numa relação desigual de poder, a fim de tirar a paz de suas vítimas predestinadas e, quando não causa sequela física, provoca consequências psicológicas ou emocionais graves nas vítimas, pois as atitudes agressivas não têm um motivo justo, e são adotadas por um ou mais estudantes contra outro(s), causando dor, angústia, esgotamento e insegurança, decorrentes dessas experiências negativas.

Por ser um fenômeno social, o Bullying é manifestado de maneira sutil e tem características próprias, pois trata-se de um tipo de violência escolar e, segundo a literatura, há registros de ocorrências de pessoas que sofriam Bullying que, em atos de extremismo, para findar seu sofrimento, cometeram homicídio seguido de suicídio, pela incapacidade de agir contra a pressão imposta pelos agressores/intimidadores de Bullying e, segundo relatos, essas vítimas não tinham intenção de atingir especificamente um ou outro estudante, porque o objetivo era “matar a escola”, ou seja, o espaço geográfico onde passaram momentos de frustração, vergonha, medo, humilhação, perante professores e colegas omissos.

Infelizmente, a mesma sociedade que lamenta o que aconteceu em Suzano (2019), e em Goiânia (2017), é a mesma que ignora ou negligencia os sinais, porque as vítimas dão sinais, como por exemplo, o aluno quieto em sala de aula ou o filho que fica trancado no quarto, o que usa moletom em dias insuportavelmente quentes, o que cobre a cabeça com capuz, o isolado no intervalo, o que passa a noite na internet, o de “olhar” vazio, etc.

As vítimas de Bullying mostram-se inábeis para solicitar ajuda ou reagir frente à situação de conflito, porque são pessoas pouco sociáveis, inseguras, desesperançadas, com baixa auto-estima, quietas, passivas e com forte sentimento de insegurança e, isso as afeta no rendimento escolar e na frequência às aulas, pois acabam se recusando a ir à escola, visto que os agressores/intimidadores, na maioria dos casos, são da mesma sala de aula.

Nesse contexto, a questão a ser esclarecida é muito mais complexa do que brincadeiras diárias entre crianças ou adolescentes, no ambiente escolar, pois, a problemática enfrentada por alunos, pais e professores emerge quando, involuntariamente, a vítima toma para si as agressões impostas pelo Bullying, permitindo-se sofrer em um ponto muito específico do ser humano, chamado alma.

A dor na alma de uma vítima de Bullying é devastadora, podendo ser percebida pelo declínio do seu rendimento escolar, isolamento e ausência às aulas e, assim, arrisco-me a descrever que para prevenir o Bullying há a necessidade de que pais, alunos e professores estejam dispostos a interpretar o silêncio de possíveis vítimas, pois, sem o apoio de que elas precisam, jamais irão suportar as situações impostas pelo fenômeno, por inúmeros fatores e, dentre eles, a vulnerabilidade frente aos ataques contra suas almas. Em decorrência disso, toda a comunidade escolar sofrerá por consequência.

Ao mesmo tempo em que a vítima não encontra ajuda necessária, capaz de lhe dar suporte, o agressor/intimidador também dificilmente encontra quem o faça cessar e/ou o conscientize e o sensibilize para a boa convivência em sociedade.

Em relação especificamente ao caso de Bullying, tanto para agressores, quanto para vítimas e espectadores existe a carência de habilidades relacionais pelo fato de não as desenvolveram individualmente e porque lhes faltou oportunidade de se sentirem inseridos em contextos caracterizados pedagogicamente, nos quais poderiam aprendê-las e exercitá-las.

Porém, o problema não é apenas familiar, pois nem sempre o contexto-escola e o grupo-classe têm sido para agressores/intimidadores e vítimas, educativos, significativos ou úteis, porque o sistema educativo que os cerca não foi suficientemente incisivo para evitar que caíssem nesses dois estereótipos.

Assim, um contexto significativo, para a vítima, é aquele que, antes de mais nada, consegue protegê-la das intimidações e humilhações; e que, depois, permite que desenvolva com menos tensões sua capacidade de autodefesa. Para o agressor, por sua vez, é um contexto que, de um lado, o paralisa e o revela em sua ação transgressiva e, de outro, o induz a aprender as regras básicas da vida em comum (respeito ao outro, controle dos impulsos etc.), da sociabilidade e da solidariedade.

Ressalto, ainda, que embora aconteça em todos os níveis de ensino, a presença do Bullying é notada com certa frequência no Ensino Médio, fase que coincide com a adolescência, onde o indivíduo se encontra em transição física, emocional e psicológica entre a infância e a fase adulta. Esta última característica justificou a minha pesquisa com alunos de primeira série de Ensino Médio, de três escolas distintas, de clientela oriunda de bairros variados, alcançando assim uma representatividade do município de Araraquara – SP, estudo esse que resultou na primeira Dissertação de Mestrado publicada, no Brasil, sobre o tema.

Acredito que a solução, ou pelo menos a busca de solução, está na união de esforços entre poder público e sociedade, assumindo a existência de fenômeno em todos os lugares frequentáveis e, assim, ter a possibilidade de agir em favor dos atores sociais para que haja uma mudança real de comportamento e por consequência, a minimização, a prevenção e o combate eficaz ao Bullying.

Por fim, é urgente que tal temática seja abordada em sala de aula, pois segundo a minha pesquisa, três em cada dez alunos, percebem a presença do Bullying no espaço escolar e, conscientizá-los é o papel da escola, pois acredito que o espaço escolar deve oferecer meios de conscientização sobre o respeito e as regras de conduta frente ao coletivo, neutralizando possíveis ações transgressivas e, ao mesmo tempo, cumprindo o que está previsto na Lei 13.185 – Programa de Combate à Violência Sistemática, vigente em todo o território nacional.


Contatos:
facebook.com/bullyingjulianabarbieri
Instagram: @bullyingbrasil


Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Passe o Mouse para Ganhar

Parabéns! Você ganhou até 25% de Desconto para Anunciar!

Clique no botão abaixo para que nossa equipe entre em contato com você.
Preencher formulário

Receba as matérias por email

Preencha corretamente os campos abaixo

Quem viu, também viu...

Educação
José Luiz Aranás

Um conto para consertos, com concertos

Conserto é restaurar ou recompor algo rasgado, partido, deteriorado. Concerto é combinação, acordo entre pessoas ou entidades em vista de um objetivo determinado; pacto. Também

Saúde mental desde a infância
Saúde
Dra. Fernanda Russi Ferreira

Saúde mental desde a infância

A saúde mental é resultante de inúmeros fatores que, interagindo entre si, promovem nossa condição psíquica. Um desenvolvimento infantil em meio a um ambiente saudável