fbpx

As andanças de pioneiros desbravadores e fundadores de cidades, no sertão paulista, no século XIX

PARTE I – As origens

A gente antiga do sul e do centro das Minas Gerais era formada por uma mistura de índios, que acompanharam e guiaram muitos antigos bandeirantes paulistas, que para lá se digiram e descobriram ouro e pedras preciosas, a partir do final do século XVII; por portugueses, a maioria oriunda das ilhas dos Açores e Madeira, que já traziam em suas veias uma boa dose de sangue flamengo e judeu marrano; e de negras, com as quais muitos senhores tiveram suas “crias” (filhos “ilegítimos”, não reconhecidos). 

Foi assim, então, através da mistura de antigos nativos brasileiros (bandeirantes paulistas), indígenas, portugueses com sangue flamengo e judeu, e de negros, que se constituíam geneticamente os mineiros que, a partir do início do século XIX, com a decadência da mineração e por problemas políticos, começaram a deixar aquela região e a embrenhar-se pelo desabitado e fértil solo do sertão paulista, formado por terras que se encontravam ao sul, além do rio Grande e a oeste da capital da Província de São Paulo, de Sorocaba e de Itu, com algumas poucas Villas mais interiores, como Constituição (Piracicaba). 

Esse movimento migratório de ocupação, de conquista, de posse da terra e de desenvolvimento, ficou conhecido como “Bandeirismo de Retorno”; contudo, atualmente essa gente é designada como “Entrantes Mineiros”, que adentraram o sertão paulista, seguindo antigos caminhos e rotas, tomaram posse da terra ou compraram partes de antigas sesmarias, constituindo fazendas, arraiais e patrimônios, muitos dos quais, algum tempo depois, tornaram-se Villas (municípios). 

Foi um movimento que durou mais de um século e que, a partir de pontos (arraiais e Villas) cada vez mais inseridos no interior do sertão, realizou paulatinamente novos avanços e conquistas, sempre mais para o oeste e para o sul, até as barrancas dos rios Paraná e Paranapanema, já no final do século XIX e para o fértil norte do Paraná, nas primeiras décadas do século XX.

Muitos pioneiros e pioneiras ficaram pelo caminho, não completando a jornada. Outros que chegaram, mas já mais idosos, permaneceram nas primeiras Freguesias e Villas, em que se instalaram, cabendo aos de meia idade e aos mais jovens, alguns já nascidos em terras paulistas, continuarem a empreitada, repetindo o mesmo processo dos antigos: tomar posse ou comprar a terra, desbravá-la e desmatá-la, construir capelas, invocar um santo protetor, fundar arraiais, doar parte das terras à Igreja, que as loteava, assim nascendo e crescendo muitas Villas, que posteriormente foram designadas de cidades.

Nesse contexto, no início dos anos de 1840, um grande clã, composto por duas grandes famílias aparentadas, Landim e Valle, oriundo de Douradinho, distrito mais antigo que Santo Antonio do Machado, que mais tarde se tornou a sede do município, no sudoeste mineiro, chegou na vasta região dos Campos de Aracoara (Araraquara), onde atualmente estão localizados os municípios de Ibitinga, Itápolis e Tabatinga, no centro-oeste paulista, tornando-se, com o tempo,  donos e senhores de grandes propriedades.

Alguns Landim, especialmente Miguel e irmãos, por questões de desentendimentos com o alferes Pedro Alves de Oliveira (filho do sargento Amaro José do Valle), que havia comprado a Fazenda Boa Vista do São Lourenço, em 1856, onde o clã Landim-Valle estava assentado, acabaram deixando essa propriedade. Após algumas “andanças” a mais dentro dessa região dos Campos de Aracoara, os irmãos Landim, com suas respectivas famílias, acompanhados por agregados e escravos, se estabeleceram definitivamente, por volta de 1860, numa área que corresponde hoje a parte considerável do município de Ibitinga.

Após essa instalação definitiva, era necessário dividir a vasta gleba em que se estabeleceram, entre os componentes do clã, cabendo aos mais idosos fazer a partilha, tornando-se, assim, eles e seus descendentes, seus efetivos proprietários. 

A partir dessa divisão, a família composta por Miguel Francisco Landim e sua esposa, Anna Custódia de Jesus e seus filhos, ficou com as terras compreendidas desde o alto de uma colina até a baixada, entre os córregos São Joaquim, Saltinho e Água Quente, sendo que posteriormente doaram parte dessa propriedade ao Senhor Bom Jesus de Ibitinga, em 03 de outubro de 1870. 

Mas a História não estava encerrada nem parou por aí. Estava apenas começando a segunda parte…

PARTE II – A consolidação

Terras havia muitas naquela época, no sertão paulista. A maioria pertencia ao governo da província, constituíam antigas sesmarias, eram devolutas, precisavam ser ocupadas, cultivadas e aproveitadas e eram extremamente baratas. Porém, era necessário gente corajosa para enfrentar a solidão e as distâncias do sertão, animais ferozes, insetos, doenças e os primitivos “donos” das terras brasileiras, os indígenas. Tudo era praticamente uma mata só, entremeada por capoeiras, cerradão, campos e banhados, cortada por riachos, ribeirões e rios de médio e grande porte.  

Os primeiros pioneiros (clã Landim-Valle) a se estabelecerem permanentemente nessa região dos Campos de Aracoara, fundaram três núcleos principais: o arraial do Espírito Santo do Córrego das Pedras, cuja área em que estava assentado foi doada à Igreja, em 1862, pelo alferes Pedro Alves de Oliveira e em 1910 recebeu a denominação oficial de Itápolis; o arraial do Senhor Bom Jesus de Ibitinga, fundado pelos Landim, provavelmente em 1860, cuja doação ao padroeiro, o que corresponde à Igreja Católica, ocorreu em 1870, como já visto; e em 1896 outra doação ao bispado, desta vez em louvor a Nossa Senhora do Bom Conselho, concretizada por Izaias Xavier do Valle, consolidou o povoado de São João das Três Barras, posteriormente denominado de Tabatinga.

Mas e depois da fundação, que, na realidade, se iniciava com a constituição de um arraial, formado por poucas e simples casas, servido por um pequeno comércio e a posterior doação dessa área e adjacências à Igreja Católica, para que ela a loteasse, visando o aumento da população e consequentemente o incremento do comércio, estava tudo resolvido?

Logicamente que não! Aí começava de fato a segunda parte:

A consolidação do desenvolvimento econômico e social desses patrimônios, a partir da vinda de novos e também destemidos pioneiros, capazes de ampliar o comércio e a vida local, bem como completar o desbravamento da região, constituindo novas fazendas e bairros rurais, o que resultava, quase sempre, na elevação desses patrimônios à condição de Villa (municípios).

E foi exatamente isso que ocorreu em Ibitinga, a partir de 1876/77, quando novas e aparentadas famílias de pioneiros, oriundas sobretudo de Pouso Alegre, sul de Minas Gerais e que desde 1840/41 haviam começado a se instalar no Arraial de Nossa Senhora das Dores das Brotas, transformando-se em grandes proprietárias, auxiliando no crescimento local e na sua elevação à Villa, começaram a migrar para a região do arraial do Senhor Bom Jesus de Ibitinga, realizando nele o que já haviam feito, com sucesso, em Brotas.

Esses novos pioneiros seguiram um itinerário natural, acompanhando o curso do rio Jacaré-Pepira (Jacarezinho), que nasce em terras brotenses e deságua no rio Tietê, em terras ibitinguenses. Brotas, quando lá chegaram, era um pequeno arraial. 

Composto, a exemplo dos Landim, por gente sul mineira, o abastado clã liderado por Manoel Joaquim Simões e sua segunda esposa, Felisberta Maria da Conceição, viúva de um importante fazendeiro de Pouso Alegre e região, o Capitão Francisco Lopes da Silva, foi responsável por um grande incremento na vida social, econômica e política do arraial de Nossa Senhora das Dores das Brotas. 

Manoel Joaquim e Felisberta não tiveram filhos; contudo, tinham muitos do primeiro casamento de ambos. O entrelaçamento entre essas famílias começou em Pouso Alegre, quando alguns dos filhos de Manoel e do Capitão Francisco Lopes da Silva se casaram, iniciando assim a união entre as famílias Simões e Lopes.

Um dos filhos de Manoel, o Capitão José Rodrigues Simões, se tornou, em 1890, o primeiro intendente de Ibitinga. Felisberta, a partir de seu primeiro casamento, com o Capitão Francisco Lopes da Silva, tornou-se a matriarca (o tronco) de uma grande família, cujos ramos, que chegaram ao arraial do Senhor Bom Jesus de Ibitinga, era formado por Lopes, Custódio, Oliveira (Gouveia), Correa de Godoy e Prudenciano.

Foi, portanto, o clã Simões-Lopes e os entrelaçamentos dele advindos, formando novos ramos com os Custódio de Souza, Oliveira (Gouveia), Correa de Godoy e Prudenciano de Souza e Silva, que formou a base da Segunda Parte da história da colonização, do desbravamento e do desenvolvimento do arraial do Senhor Bom Jesus de Ibitinga.

Essas famílias irmanadas, inicialmente os Custódio, Prudenciano, Gouveia e Correa, aqui chegando, por volta de 1876, adquiriram grandes propriedades, especialmente entre os dois rios Jacarés (Pepira e Guaçu), formando fazendas e como seus ascendentes, em Brotas, desenvolveram o comércio, a agricultura; enfim, a vida social, econômica e política de Ibitinga, tornando-se, juntamente com os fundadores Landim, fazendeiros, vereadores, intendentes e delegados. Encerrando o ciclo de Ibitinga arraial, iniciando o de Ibitinga Freguesia e o de Ibitinga Villa (município).

Mas, não satisfeitos, ainda fizeram o mesmo em São João das Três Barras (Tabatinga) e na vila de Londrina, no norte do Paraná. Numa marcha sempre em direção ao sul e ao oeste e depois para todos os lados. Marcha ininterrupta, que continua até hoje e na qual se juntaram e se juntam imigrantes e migrantes das mais variadas origens e regiões…

Referências Bibliográficas

Livros:
Anotações Familiares, Maria Lucia Pinheiro, São Paulo, 1990.
As Três Ilhoas, Segundo Volume, Segunda Parte, José Guimarães, 1990.
Brotas: Cotidiano e História, Adriana Ramos [et al]. –  Brotas, SP: Prefeitura Municipal de Brotas, 1996.
Os judeus que construíram o Brasil: Anita Novinsky [et al]. – São Paulo: Planeta do Brasil, 2015.

Blog:
Famílias Correa de Godoy e Fracalossi, Eliseu Correa de Godoy, 2012.

Revista:
IBITINGA – SUA GENTE, SUAS COISAS. Edição de “O Comércio”, 1971.

Arquivo pessoal

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Comente com seu Facebook

Clique aqui e garanta seu desconto para anunciar

Você pode ganhar até 25% de Desconto para Anunciar!

Durante o estado de calamidade estamos oferecendo desconto especial para anunciantes que fizerem seus contratos de forma digital. Clique no botão abaixo para que nossa equipe entre em contato com você.
Preencher formulário

Receba as matérias por email

Preencha corretamente os campos abaixo

Quem viu, também viu...

De Cambaratiba para Marte
Crônica
José Luiz Martineli Aranas

De Cambaratiba para Marte

Meu caro leitor: esse escrevinhador, de letrinhas corridas, nasceu em família pobre – com avós e bisavós ricos – morou em fazenda, no meu querido

História
João Paulo Custódio

No coração da cidade nosso maior símbolo

Nestes dias em que comemoramos os 128 anos de emancipação político-administrativa de Ibitinga e brevemente o dia de seu padroeiro, mais uma vez a imagem